14/02/2012

E de repente, tudo faz sentido.

Amor, então,
também, acaba?
Não, que eu saiba.
O que eu sei
é que se transforma
numa matéria-prima
que a vida se encarrega
de transformar em raiva.
Ou em rima.
- Leminski.



Costumam dizer que tudo que é seu de verdade, volta.
Quando amamos tanto alguém que o tempo fez questão de levar para longe, deixando tudo um pouco borrado e percebemos que estamos apaixonados novamente por outra pessoa, dizemos amar aquela pessoa...mas, e aquela outra pessoa que você amou, já esqueceu dela? Impossível esquecer, você se acostuma com o não mais ter, com o não mais lembrar, com apenas o gostar, mas esquecer, ou deixar de amar é simplesmente inaceitável e até mesmo improvável. Tudo que é de verdade seu, volta, mas talvez já tenhamos mesmo sem perceber, o fato é que tudo aquilo permanece com a gente.
 O amor não acaba, muito menos a afinidade, o que acaba é a paixão, o que acaba é o desejo, porque esses dois sim são passageiros, se era amor, vai continuar sendo, independente do quanto estão longes, afastados ou se já está tudo arranjado.
 Você pode amar três mil pessoas, e mesmo assim você nunca vai amar ninguém igualmente, todos vão ter um amor diferente, é isso o que estou tentando dizendo aqui. O amor por si só já é verdadeiro, ele permanece, dura, fica para sempre sim. Mas é você, que com as ideologias atuais faz com que ele morra.
 Só mais uma pergunta, de vez em quando não bate uma nostalgia? Pense nisso...

1 deixaram-me mais motivos para sussurrar:

Raíla Guimarães disse...
Este comentário foi removido pelo autor.