02/05/2016

Things like that

Eu já tive coragem, ousadia, você.
Mas agora eu tenho medo, teu medo também, de virar a esquina e você dizer que foi tudo um engano, que era só bobagem, sacanagem, todos esses termos toscos que eu imagino você falando.
Aquele medo desgraçado de dar tudo errado e ter que fazer um recomeço sem você.
Mas quero te namorar.
Apertado.
Suspirando.
Rindo.
Sonhando.
Também quero te beijar os lábios, os ombros, os braços, as pernas, teu peito.
Só que tenho medo de todas as loucuras serem apenas momentos, que todas as conversas sejam pensamentos sem fundamento.
Eu temo te ter, e ainda te quero.

Só me falta a palavra, a frase, a pergunta, você.







(daquelas coisas escritas no word que você não sabe se é seu, se é de alguém, e acaba pesquisando trechos no google e não acha nada. Então deve ser meu, mas sem data, sem nome e sem razão.)

22/12/2015

Again and again


Oi. Reparou em mim? Teve certeza de que viu algo além de mim?
Oi. Você desviou o olhar? Não conseguiu suportar?
Oi de novo.
Será que é algum tipo de distúrbio emocional?
Ou a gente não sabe como parar?
Oi. Tem alguém aí?
Eu não sei dizer tchau.
Eu não sei te dar adeus.
Oi outra vez. Será que eu me superei dessa vez?
Olá...
Acho que a gente não sabe onde está.
Oi. Hi. Hola. Olá. Hello.
Só não me deixa say good-bye.

°°

12/04/2015

Bloody and raw, but I swear it is sweet


 Pulei de Hozier para Kodaline. Numa busca frenética de algo que possa me satisfazer. E eu me enchi de coisas boas, busquei inspiração e acabei aqui, em uma página em branco, faz quase uma hora que olho pra ela e tento escrever algo e eu quero dizer que. 
Nada disso é pessoal e ao mesmo tempo é. Nada disso aqui é algo real e ao mesmo tempo é, pode não ser pra mim, mas pra alguém é. E eu escrevi porque senti algo, não sei talvez um tiquinho meu saiba sentir tudo isso aqui.
E eu sinto falta. De passar horas escrevendo. Estar em uma sala de aula e escrever. Estar escutando música e escrever. Estar viajando, indo a praia, indo festejar e ir escrever.
Não por me faltar algo, mas por me preencher.
Sinto falta daquele rasgo na garganta por escrever algo tão sinistro ou tão deep que chega a doer a alma. Ou algo tão frio que te faça querer enxergar.
E ainda mais, eu leio isso hoje e pergunto-me porque as vezes achava isso tudo tão ridículo vindo de mim. E tudo é lindo. Podem falar o que quiser, tudo aqui é lindo.
Pessoas, sejam honestas. Eu nunca fui doce com palavras, mas soube sempre expressar o que devia ser sentido...

06/12/2013

Sem título porque a inspiração acabou.



As peças do meu peito estão em desgaste. As crônicas que labutavam em meu pensar se dissipam. Os cortes quentes na minha pele fina se estraçalham com toques. Os lábios secos. A garganta que arranha.
A pergunta que se insere nas minhas veias “eu posso?”. As lacunas incompreensíveis em meu ser. A vontade.

Corroo os destaques que meus olhos encontram. Vasculho meus dedos a procura das palavras.

Me perco.
Revolto.
Me faço.

Os lençóis brancos estão salgados. A minha língua está fria.
E as correntes que meu coração bombeia, se afogam em laços.

Me vejo.
Me mato.
Me maltrato.

Tudo ao teu redor está melhor. Eu fico no desmoronamento.
Minhas pernas irrequietas. E meu tato calmo, rápido e tão fugaz te ataca. Me ataca.

Unhas. Tapas. Fúria.

O ataque feroz que arranha a pele, empurra a garganta, impede meu passos. A melodia sagaz que invade meus olhos e me deixa você no espaço.

Eu não sou fato. Nem retrato.
Sou um pacto mal feito, fadado ao erro.





Ps. Tô pelo tumblr, mas volto quando puder por aqui! Abs.

25/03/2013

Aceite-me


 A música que é a sua cara, o som que faz teu ritmo. E eu penso se seria possível implantar essa sensação em você, eu queria que fosse possível você olhar pra mim e perceber que a melodia que me persegue é a sua. Eu, honestamente, queria que tudo voltasse, voltasse ininterruptamente. Eu acredito que amo você, com todos os teus defeitos terríveis, com as qualidades que por vezes ressalto de maneira tímida, dos traços físicos que me encantam e das bobagens que você não consegue desapegar.
 Você sempre vai me fazer bem, dentro dos limites, fora deles. Você tem o semblante que me enamora facilmente, me enaltece, me invade. Você tem os limites que eu gosto de transbordar.
 Quem é você que eu não esqueço? Quem é você que me ama desse jeito e mal sabes disso? Quem é você o alguém a quem gosto tanto de pensar?
 Vamos parar por aqui, deixar as músicas seguirem, com suas letras que conduzem tantos dos nossos momentos. Eu sei quem é você, você é o não-eu.
 E eu amo você.