04/04/2011

Decisão

E já era mais um dia, o dia que você iria embora. Foi difícil ir ao terminal te ver partir.
 Não te tocar, reprimir as lágrimas, não te olhar. Eu queria dizer algo mais, mas nada saia. Demorei muito tempo sentada.
- Por que você vai embora? - eu pergunto por fim, segurando-me.
- Não adianta ficar aqui, esperando, sem você nunca decidir. Eu não posso ficar e esperar, eu preciso de decisões, e você é impossível nisso. - você diz, e eu não percebo nenhuma hesitação na sua voz. Olho pra minhas mãos que, infelizmente, já estão suando. Enxugo-as na ponta do casaco.
- Sabe, é difícil. Você é complicado. É difícil dizer sim ou não, quando você é instável. Se vai embora é porque quer, não porque eu ainda não decidi. - digo e olho-o. Seus olhos azuis, me encaram de uma maneira interrogativa. Se você ao menos soubesse que eu só espero de você uma confirmação.
- Como pode dizer isso? Sempre estive aqui pra você, por você. Porque me julgas assim? Jen, eu não acredito que você duvide do que eu sinto. - me sobressalto e olho suas mãos, que suam, elas estão cruzadas sobre suas pernas. Sua pele vibra, e é algo quase imperceptível. 
- Você nunca me disse. - engulo em seco, a saliva queimando minha garganta. Desvio os olhos e escuto as primeiras chamadas para o seu trem.
- Eu amo você. - você diz, e levanta-se, pegando sua única mala, parando por um momento e segue para o seu terminal. Eu ainda estou cabisbaixa, ainda estou pensando. Que burra eu fui...
- Scott, não, não vá. Por favor fique. - eu grito. E corro em sua direção. Acaricio de leve sua bochecha que está tão gelada. - Por favor, fique, eu amo você. - um brilho novo surge em seu olhar e eu apenas espelho-o, sorrindo.
- Porque demorou tanto pra isso Jen?! - solta sua mala, e me levanta no ar, agarrando-me com força e me beijando, enquanto todos os passageiros passam por nós, mas eu não escuto nada, porque eu estou em seus braços...
postado anteriormente no dia : 08/11/2010 em outro blog do qual participo. (:

3 deixaram-me mais motivos para sussurrar:

Monique Premazzi disse...

Eu já li um texto com essa foto ou era eu que queria escrever alguma coisa sobre ele e não consegui. Só sei que essa foto pode dizer tantas coisas e o que você escreveu ficou tão fofo! Amei mesmo. As vezes só conseguimos dizer essas tres palavrinhas quando estamos prestes a perder a pessoa que amamos, é complicado, na verdade, somos nós que complicamos.

Beijinhos, se cuida s2

Nina Auras disse...

Ah, que meigo esse texto *-* Todas as histórias de amor deveriam acabar assim. Lindinho!

Swallowed Words. disse...

No amor (e na dor) as coisas deveriam ser mais fáceis. Olhares deveriam responder perguntas que foram feitas por olhos, também.
Posso conseguir colocar em palavras, escrever textos que derramam sentimentos mas, com palavras a serem ditas, tudo fica complicado. Meus olhos nunca sabem para onde olhar, caminho em círculos, gaguejo, erro a pronúncia, o nome, o modo de conjugar... E perder pessoas por estas limitações é terrível.
Enfim, quero ir para algum lugar que tudo se resolva em silêncio, com gestos e olhares. Aw.