19/05/2011

Verdade ilícita - pt. 5

 Filiphi segurava um buquê e pedia minha mão para meu pai. Meu rosto ardia, estava escondida atrás da porta, escutando.
- Seremos felizes, Sr Hastings. - ele prometera a meu pai.


- Cada um por si! Essa é a política de relacionamentos para você Tamires? - perguntei para minha colega de turno no hospital.
- Sally, você tem que aprender que em um relacionamento hoje em dia não é mais mil flores como antigamente. - disse ela, enquanto andávamos na ala dos nossos pacientes.
- Quais os seus hoje? - pergunto.
- 20, 17, 32 e 41. Poucos, talvez não haja emergências hoje, o dia está lindo.
- É o que eu espero. - falei e segui o corredor. Naquele dia colhi vários sonhos, esperanças e forças, me fortaleci o quanto eu esperava, vendo várias pessoas melhorarem seus estados críticos.
 Então, em um momento de descanso, vejo um vulto passar por mim, alguém conhecido, perfume amadeirado, fresco e novo. Ele novamente.
- Fil, por quanto tempo você agirá assim comigo? - eu pergunto, tomando um chá sem gosto.
- Eu não sei Sally, eu não sei. - ele suspira forte, mesmo que não dependa daquilo e me encara, enquanto beberico o resto do chá. - Você continua linda. - diz e levemente passa seus dedos em meu queixo. Aquela sensação de sua pele na minha faz com que eu volte ao passado novamente.
Fil está sentado na cadeira de balanço do velho papai, encarando o céu azulado e de vez em quando olhando para mim, às vezes seus olhos descem um pouco até minhas coxas. E meu rosto arde e reviro os olhos, observando-o enquanto ele não olha pra mim, mas então nossos olhares se chocam e aquele arrepio me percorre a espinha, me impulsionando para frente, para agarrar aquele seu cabelo curto com pontas irregulares e beijar os lábios que parecem queimar. 


- O que você está pensando? - Tamires me cutuca o braço e percebo que estou só novamente, sem Fil, sem pensamentos, sem dor, somente uma lembrança de alguém, de algo que deixei mal resolvido na noite anterior. O que, quem?
Júnior...

(continua)

Depois de tanto tempo sem escrever essa "história", retornei,desculpe os que até leram, mas ta aí a continuação ou a falta de inspiração, retornarei aos poucos com mais contos. *-*

2 deixaram-me mais motivos para sussurrar:

Rodrigo Santos disse...

fiquei meio perdido. Vou esperar a continuação pra me localizar novamente... sempre que leio livros ou coisa do tipo acontece isso HAHA. E quando chega no meio eu começo a ligar os fatos

Franciellen :) disse...

Eu fiquei perdida, mas acho que é porque não li o resto, rsrs, já que teve um parágrafo aí que me fez imaginar a cena :D

fofo!