18/06/2010

Pequena história.


Ele disse : Já não me importo com seu passado, quero viver contigo nesse presente. - eu arfei com as palavras pronunciadas, tentando me equilibrar, olho para os seus olhos. Tento sorrir em resposta, mas meu rosto está paralisado. Minhas feições não fazem jus ao que sinto, ele de repente se afasta, baixa seus olhos como uma desculpa. Queria segurá-lo em minhas mãos e dizer que eu sentia o mesmo, que não me importava com seu passado, que o que importava era o agora, no momento em que o conheci, mas nada saia, meus olhos calmos, frios, me enganaram.
Ele: Me desculpe se não é o mesmo que você quer. – Ele dá mais alguns passos para trás, eu queria prendê-lo ali, dizer pra não ir, que me abraçasse, mas nenhuma palavra saia de mim. O que estava acontecendo comigo? Por que eu não me movia, não reagia? E minha face me traia, meu corpo me traia em resposta, eu queria apenas abraçá-lo sem dizer nada, mas nem isso eu consegui.
Olho para os meus pés, incriminando-os, xingando-os em silêncio, uma pequena gota cai em meu sapato, era minha lágrima, eu sinto o choro se formar em meu peito, mas eu não tento impedi-lo como sempre fazia, eu o deixo sair, meus joelhos estremecem,caio sobre o chão frio, eu ainda queria dizê-lo algo, mas ele já estava distante. Você vai ouvir a minha voz quando eu gritar isto bem alto, disse para mim mesma e respirei fundo, formulando o que eu falaria.
Ela: NÃO, POR FAVOR. – eu grito me esforçando para que minha voz fosse mais alta do que em minha cabeça, que o alcançasse, que ele voltasse para que eu o pudesse abraçar, ele se volta para mim, seus olhos confusos, procurando uma razão para que eu gritasse, seus passos mais rápidos vinham ao meu encontro novamente, eu o esperei ali, ajoelhada no chão, ainda não tinha forças para me levantar, e eu queria ter coragem para dizê-lo.
Ele: Por que está chorando? Eu-eu não entendo, você não disse nada, sua reação foi fria, pensei que não tinha o que dizer. – ele me puxa para seus ombros, eu ainda arfava em meio as lágrimas, eu sentia seu cheiro doce, fraco. Suspirei, enxugando meu rosto, me preparando para falar.
Ela: Eu apenas não soube como falar, mas eu quero que saiba. – Tentava encontrar as palavras certas, de olhos baixos, sem encontrar os dele. – Eu o amo, o amo mais do que possa imaginar, mais do que eu consiga demonstrar, mais do que você pode saber, eu o amo, e, eu não consigo controlar minhas reações, elas me traem.
Suas mãos seguram meu rosto, aproximando do dele, sua respiração fica ofegante, eu ainda tentava decifrar o que ele tinha pensando do que eu falei, mas foi rápido, verdadeiro, quente. Ele me beijou, nossos lábios se uniram de uma forma singela, prazerosa e amorosa.
Ele: Ah, eu também te amo. 



Nota:9,6
2ºLugar

2 deixaram-me mais motivos para sussurrar:

Elania disse...

*-*

Juliane Bastos disse...

Toda pessoa precisa viver algo assim para saber o que realmente é importante nesta vida. Fico feliz por saber que ainda exista pessoas que amam e que consigam expressar isso. Ameeeeeeeeeeeeei o post *-*